Weby shortcut
Youtubeplay
Ética

Universidades dos EUA tentam trazer ética dos médicos para programadores

Professores de cursos de computação e dados iniciam movimento para estimular estudantes a refletirem sobre impactos negativos da tecnologia.

Médicos

Jeremy Weinstein, Hilary Cohen, Mehran Sahami e Rob Reich, da Universidade de Stanford, vão iniciar novo curso de ética no próximo ano

A profissão médica tem uma ética: antes de tudo, não ferir. O Vale do Silício tem uma regra: primeiro fazer, depois pedir perdão. Hoje, porém, com as notícias falsas (fake news) e outros problemas que atingem as gigantes de tecnologia, universidades que formaram alguns dos maiores gênios do Vale estão se mexendo para trazer para a Ciência da Computação um pouco da éticada Medicina.

Neste semestre, a Universidade de Harvard e o Massachusetts Institute of Technology (MIT) estão oferecendo em conjunto um novo curso sobre ética e regulação da inteligência artificial. A Universidade do Texas, em Austin, também acaba de lançar um curso intitulado “Fundamentos Éticos da Ciência da Computação”. A instituição pretende eventualmente integrá-lo a todos os seus cursos.

E, na Universidade de Stanford, o coração acadêmico do Vale do Silício, três professores e um pesquisador estão desenvolvendo um curso de ética em Ciências da Computação para começar a partir de 2019. A universidade espera que centenas de estudantes se inscrevam.

Dilemas. A ideia é treinar a próxima geração de especialistas em tecnologia – e também legisladores – para considerar o lado obscuro de inovações, como armas que funcionam sozinhas ou carros sem motorista, antes que esses produtos cheguem ao mercado.

“Trata-se de descobrir ou identificar pontos com os quais, nos próximos anos, os estudantes aqui formados vão se defrontar”, disse Mehram Sahami, professor de Ciências da Computação na Universidade de Stanford. Ele ganhou fama no campus por levar o presidente executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, para conversar com os alunos todo ano.

“A tecnologia não é neutra”, disse Sahami, que já trabalhou no Google como cientista pesquisador. “As escolhas feitas na adoção de tecnologia têm ramificações sociais.”

Os cursos surgem num momento em que grandes empresas de tecnologia lutam para controlar seus efeitos colaterais. Basta ver o Facebook, com o escândalo do uso ilícito de dados pela Cambridge Analytica, a luta para acabar com contas falsas no Twitter e para tirar do ar vídeos obscenos com crianças no YouTube. Esses professores pretendem desafiar uma atitude comum no Vale do Silício: a de considerar a ética como um entrave à inovação.

“Temos de ensinar às pessoas que há um lado negativo na ideia de ‘avançar sempre, mesmo quebrando coisas’”, diz Laura Norén, pós-doutoranda do Centro de Ciência de Dados da Universidade de Nova York, que leciona em um novo curso de ética em Ciência de Dados. “É possível consertar um software, mas não uma reputação destruída.”

Cursos de ciência da computação têm de garantir que os estudantes tenham conhecimento de normas éticas relacionadas à computação para terem o aval do ABET, grupo internacional de validação de programas universitários de Ciência e Engenharia. Em alguns cursos, o tema é embutido em aulas mais abrangentes, enquanto em outras, são abordados em cursos independentes.

No entanto, até recentemente a ética não parecia relevante para muitos estudantes. “Comparada à Medicina, a interação diária com a dor ou a morte é muito menor quando se produz software”, diz Joi Ito, diretor do Media Lab, do MIT.

Automação. Um dos motivos para as universidades estarem investindo em ética é a popularização de tecnologias poderosas, como o aprendizado de máquina. Tratam-se de algoritmos que podem aprender de modo autônomo a executar tarefas a partir da análise de grandes volumes de dados.

Como tais ferramentas podem, em última análise, modificar a sociedade, as universidades se apressam a fazer os estudantes entenderem as potenciais consequências. “Uma vez que começamos a fazer coisas como veículos autônomos, as pessoas estão ansiosas para criar um sistema ético.”

No ano passado, a Universidade Cornell introduziu um curso no qual os estudantes aprendem a enfrentar desafios éticos. Eles têm de analisar um conjunto de dados tendenciosos, com poucos lares de baixa renda, por exemplo, para entenderem que o banco de dados não é representativo para o conjunto da população. Os alunos também debatem o uso de algoritmos em decisões de vida, como contratar alguém ou escolher uma universidade. “Procurei fazê-los entender os desafios que enfrentarão”, disse Solon Baroca, professor de Ciência da Informação que leciona no curso

Em outro curso da Cornell, a professora Karen Levy direciona a discussão ética para o papel das empresas, não dos profissionais. “Muitas decisões éticas têm a ver com as escolhas que uma empresa faz: que produtos vai desenvolver, como lidará com os dados pessoais de seus usuários”, disse Karen. “Se o treinamento ético se concentrar inteiramente na responsabilidade individual do cientista de dados, há o risco de o papel da empresa ser subestimado.”

Fonte : Estadão

Categorias : ética

URL relacionada : http://link.estadao.com.br/noticias/cultura-digital,universidades-dos-eua-tentam-trazer-etica-dos-medicos-para-programadores,70002249875
Listar Todas Voltar